BLOG DO VICENTE CIDADE

Este blog tem como objetivo falar sobre assuntos do cotidiano, como política, economia, comportamento, curiosidades, coisas do nosso dia-a-dia, sem grandes preocupações com a informação em si, mas na verdade apenas de expressar uma opinião sobre fatos que possam despertar meu interesse.

terça-feira, 1 de março de 2011

Sidney Rosa cai ou não cai?

HIROSHI BOGÉA ONLINE: Sidney Rosa cai ou não cai?

O post "lincado" com o blog do Hiroshi, trás uma reflexão do blogueiro a respeito do Secretário de Estado de Projetos Estratégicos, Sidney Rosa, que figura na lista negativa dos ruralistas usuários de trabalho análogo à escravidão, o que traduzindo para o popular quer dizer o seguinte, o secretário foi flagrado se utilizando de trabalho escravo.

Este secretário tem como uma das prerrogativas de sua pasta, discutir o financiamento e implantações de programas e ações de desenvolvimento do estado com organismos e agências internacionais como o Banco Mundial, BID, ONU, entre outros.

Agora imaginem o constrangimento que as delegações internacionais destas instituições, que visam o desenvolvimento humano podem estar sujeitas, com a informação de que estão negociando ações humanistas diante de um personagem protagonista dessa triste e vergonhosa mazela social, conforme processo que tramita na 2ª Vara Federal da Seção Judiciária do Maranhão, processo 833-98.2006.4.01.3700), informações estas constantes no blog da jornalista Franssinete Florenzano.

A dimensão da vergonha !!

A primeira nação a abolir a escravidão foi Portugal em 12 de fevereiro de 1761, embora suas colônias da América e da Africa só aderiram no século seguinte. Na França a abolição ocorreu em 1794, com a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidação, embora Napoleão Bonaparte tenha revogado em 1802, sendo que em 1848 a escravidão foi completamente abolida naquele país. No Reino Unido a etapa definitiva da abolição da escravidão se deu em 1834. No Brasil a escravidão foi extinta, legalmente, em 1888.

Estamos em 2011, século XXI, exatos 250 anos após a primeira nação abolir legalmente o trabalho escravo, mas ainda nos deparamos com essas práticas vís e desumanas, praticadas por gente gananciosa e sem escrúpulo.

Esse senhor, Sidney Rosa, não deveria ser somente exonerado do cargo de Secretário de Estado, deveria também sofrer um processo de cassação de seu mandato de deputado estadual, pois sua presença na vida pública é uma vergonha para o Estado do Pará.

Como é governador, cai ou não cai o escroque ?!?!

3 comentários:

  1. Vicente


    Venha à Paragominas e pergunte a qualquer um dos 100 mil cidadãos que é o Sidney Rosa. Não fale sem conhecimento de causa. Não seja injusto. essa noticia é requentada de 2003, quando o assunto foi bem esclarecido na midia.


    Rone Ferraz

    ResponderExcluir
  2. Olá Rone,

    Primeiro, que está falando não sou eu, é Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e mais um conjunto de entidades da sociedade civil.

    Segundo, é muito simples dizer que foi terceiros, se eximir de culpa e reconhecer o débito e quitá-lo. Ok. Isso responde perante a justiça.

    Mas, e se a fiscalização não o tivesse apanhado? certamente a relação de trabalho seria perpetuada e o benefício auferido pela exploração vil de trabalhadores seria alcançado.

    Não é só uma questão legal, é também moral e ética.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Filho de Paragominas12 de março de 2011 12:18

    Caro Vicente,
    Se presederes visitar Paragominas, me procura, pois se escolher pessoas iguais ao Rone, só irá ver o centro da cidade e no máximo as Promissões. Eu t levarei aonde esta verdadeiramente o povo, no Ouro Preto, no Nagibão I, II, III e Aragão, e outros, onde estes vivem com rendas, muitas vezes, abaixo de meio salario minimo. O Rosa, o que fez pra vida deste povo melhorar? Asfaltou algumas ruas e pronto? embunitou o centro da cidade, igual o Adnan fez e pronto?
    Quanto ao que esta sendo veiculado sobre o Sidney, a propria defesa dele já o encrimina, por isso não vou nem acrescentar mais.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir