BLOG DO VICENTE CIDADE

Este blog tem como objetivo falar sobre assuntos do cotidiano, como política, economia, comportamento, curiosidades, coisas do nosso dia-a-dia, sem grandes preocupações com a informação em si, mas na verdade apenas de expressar uma opinião sobre fatos que possam despertar meu interesse.

terça-feira, 31 de julho de 2012

Com Texto Livre: O julgamento na imprensa


Com Texto Livre: O julgamento na imprensa:

O julgamento do mensalão pelo Supremo Tribunal Federal é desnecessário. Entre a insinuação mal disfarçada e a condenação explícita, a massa de reportagens e comentários lançados agora, sobre o mensalão, contém uma evidência condenatória que equivale à dispensa dos magistrados e das leis a que devem servir os seus saberes.

Os trabalhos jornalísticos com esforço de equilíbrio estão em minoria quase comovente.
Na hipótese mais complacente com a imprensa, aí considerados também o rádio e a TV, o sentido e a massa de reportagens e comentários resulta em pressão forte, com duas direções.
Uma, sobre o Supremo. Sobre a liberdade dos magistrados de exercerem sua concepção de justiça, sem influências, inconscientes mesmo, de fatores externos ao julgamento, qualquer que seja.
Essa é a condição que os regimes autoritários negam aos magistrados e a democracia lhes oferece.
Dicotomia que permite pesar e medir o quanto há de apego à democracia em determinados modos de tratar o julgamento do mensalão, seus réus e até o papel da defesa.
O outro rumo da pressão é, claro, a opinião pública que se forma sob as influências do que lhe ofereçam os meios de comunicação.
Se há indução de animosidade contra os réus e os advogados, na hora de um julgamento, a resposta prevista só pode ser a expectativa de condenações a granel e, no resultado alternativo, decepção exaltada. Com a consequência de louvação ou de repulsa à instituição judicial.
O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, reforça o sentido das reportagens e dos comentários mais numerosos, ao achar que "o mensalão é o maior escândalo da história" - do Brasil, subentende-se.
O procurador-geral há de ter lido, ao menos isso, sobre o escândalo arquitetado pelo brilho agitador de Carlos Lacerda em 1954, que levou à República do Galeão, constituída por oficiais da FAB, e ao golpe iniciado contra Getúlio Vargas e interrompido à custa da vida do presidente.
Foi um escândalo de alegada corrupção que pôs multidões na rua contra Getúlio vivo e as fez retornar à rua, em lágrimas, por Getúlio morto.
Como desdobramento, uma série de tentativas de golpes militares e dois golpes consumados em 1955.
O procurador Roberto Gurgel não precisou ler sobre o escândalo de corrupção que levou multidões à rua contra Fernando Collor e, caso único na República, ao impeachment de um presidente. Nem esse episódio de corrupção foi escândalo maior?
E atenção, para não dizer, depois, que não recebemos a advertência de um certo e incerto historiador, em artigo publicado no Rio: "Vivemos um dos momentos mais difíceis da história republicana".
Dois inícios de guerra civil em 1930 e 1932, insurreição militar-comunista em 1935, golpe integralista abortado em 1937, levante gaúcho de defesa da legalidade em 1961, dezenas de tentativas e de golpes militares desde a década de 1920.
E agora, à espera do julgamento do mensalão, é que "vivemos um dos momentos mais difíceis da história republicana".

Janio de Freitas
No Falha

Blog do Puty: Tarso Genro: Tentaram a destruição do PT como comunidade partidária.

Blog do Puty: Tarso Genro: Tentaram a destruição do PT como comu...:

Publicamos aqui a intervenção do companheiro Tarso Genro, publicado hoje no jornal Estado de São Paulo, por considerar que ela traz elementos importantes para um posicionamento do PT frente ao ataque generalizado que volta a sofrer por ocasião do julgamento do vulgarmente chamado "mensalão".


A atitude de um partido socialista deve ser a de denunciar os ataques da direita e, ao mesmo tempo, a de aprender criticamente com a experiência, reafirmando sua opção de transformação radical da sociedade, o que inclui a própria questão da democracia. Radicalizar a democracia, torná-la substantiva e participativa, é o caminho para olhar para frente e para enfrentar o ódio dos que querem aniquiliar nosso partido.

Tarso Genro: Tentaram a destruição do PT como comunidade partidária

Publicamos aqui a intervenção do companheiro Tarso Genro por considerar que ela traz elementos importantes para um posicionamento do PT frente ao ataque generalizado que volta a sofrer por ocasião do julgamento do vulgarmente chamado "mensalão".

A atitude de um partido socialista deve ser a de denunciar os ataques da direita e, ao mesmo tempo, a de aprender criticamente com a experiência, reafirmando sua opção de transformação radical da sociedade, o que inclui a própria questão da democracia. Radicalizar a democracia, torna-la substantiva e participativa, é o caminho para olhar para frente e para enfrentar o ódio dos que querem aniquiliar nosso partido.

Refiro-me à questão do mensalão com uma questão política do Estado brasileiro, da política brasileira, e não como um processo judicial sob o qual deveremos esperar os resultados. O mensalão, sob essa ótica, foi um divisor de águas na história do PT porque nos defrontamos com um massivo ataque, pode-se dizer, de 90% da mídia do País, com um processo de incriminação "em grupo". A incriminação não foi direcionada para indivíduos ou grupos definidos, e sim para uma comunidade partidária em abstrato. É tática usada pelas posições extremistas e autoritárias que apareceram na história moderna. Vejam o nazismo: incriminação em abstrato de uma raça. Vejam o stalinismo: incriminação em abstrato de toda pessoa discordante do regime. Vejam a visão que paira em determinadas posições políticas no Oriente Médio: os muçulmanos, "em geral" os fundamentalistas, são culpados de tudo.

O que ocorreu no mensalão, mais do que a preparação de um processo judicial, foi uma tentativa de destruição do PT como comunidade partidária, porque todos os indivíduos que integravam o PT e toda a comunidade petista não partidária foram incriminados.

Temos de aprender com essa experiência e tomar extremos cuidados com qualquer tipo de comportamento nosso frente às estruturas do Estado brasileiro, para que não proporcionemos novamente uma unidade tão grande contra o PT, que foi atacado como projeto partidário, como comunidade ética e comunidade política - e por isso o mensalão foi um divisor de águas.

Mesmo assim, defendo que estava correto em propor o movimento da refundação do partido. A proposta causou um estranhamento nos dirigentes mais antigos do PT, porque se pensou, na oportunidade, que era um movimento contra uma geração. A ideia, porém, era buscar uma renovação e uma reconstrução partidária. E, mais do que isso, de renovação da cultura partidária do PT. Daí nasceu a corrente interna "Mensagem ao Partido", que tem dado uma contribuição importante aos debates de fundo sobre o PT. Se observarmos os documentos da "Mensagem ao Partido", estão ali todos os elementos políticos, ideológicos e programáticos de uma visão refundacionista, que quer dizer: reestruturação, renovação, planejamento cultural e manutenção das ideias socialistas democráticas que estão na origem do PT.

O que podemos tirar como lição do mensalão é tentar proporcionar uma nova cultura política do PT, que construa uma estratégia de alianças não somente a partir de necessidades imediatas, mas de fundamentos programáticos e ético-políticos mais sólidos. Um partido novo como o PT, que tem uma história política dentro de um País de vida democrática recente, tem de saber assimilar esse conceito. Por exemplo: não sou contra alianças com o "centro", sou a favor das alianças com o "centro", mas defendo que devem ser construídas a partir de uma aliança com outros partidos de esquerda. Uma aliança com outros partidos de esquerda dá mais fundamento programático, e o fundamento programático faz o balizamento do comportamento das pessoas na estrutura do Estado. Essa é uma herança clara que nós temos de saber assimilar e processar.

Publicamos aqui a intervenção do companheiro Tarso Genro, publicado hoje no jornal Estado de São Paulo, por considerar que ela traz elementos importantes para um posicionamento do PT frente ao ataque generalizado que volta a sofrer por ocasião do julgamento do vulgarmente chamado "mensalão".

A atitude de um partido socialista deve ser a de denunciar os ataques da direita e, ao mesmo tempo, a de aprender criticamente com a experiência, reafirmando sua opção de transformação radical da sociedade, o que inclui a própria questão da democracia. Radicalizar a democracia, torná-la substantiva e participativa, é o caminho para olhar para frente e para enfrentar o ódio dos que querem aniquiliar nosso partido.

Do site do Estado de S. Paulo


CPI deverá convocar para depor o jornalista Policarpo Júnior, diretor de Veja. Ele faz parte da 'Quadrilha do Cachoeira" !!

Caso Andressa fará CPI convocar chefe da Veja

Foto: Edição/247

“ESTÁ COLOCADA A RELAÇÃO DO JORNALISTA COM A ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA”, DISSE O DEPUTADO PAULO TEIXEIRA (ESQ.), VICE-PRESIDENTE DA COMISSÃO; PEDIDO PARA OUVIR POLICARPO JÚNIOR (CENTRO) VINHA SENDO DEFENDIDO POR FERNANDO COLLOR (DIR.) E BRECADO PELO RELATOR ODAIR CUNHA (ESQ.); COMISSÃO TAMBÉM SOFRIA PRESSÃO DOS GRUPOS DE MÍDIA ABRIL, GLOBO E FOLHA

31 de Julho de 2012 às 08:47

247 – A tentativa de chantagem feita por Andressa Mendonça, esposa de Carlos Cachoeira, contra o juiz Alderico Rocha Santos, deverá provocar a convocação do jornalista Policarpo Júnior, diretor de Veja em Brasília, pela CPMI do caso Cachoeira. Segundo o magistrado, Andressa disse a ele que Cachoeira encomendou um dossiê sobre sua vida ao jornalista Policarpo Júnior. “Se você soltar o Carlos, não soltamos o dossiê”, teria dito.

De acordo com o deputado Paulo Teixeira, vice-presidente da Comissão, o fato prova a relação entre o jornalista e o grupo de Cachoeira. “Com os acontecimentos, está colocada a relação do jornalista com a organização criminosa”, afirmou. “Já iremos discutir a convocação na primeira reunião da CPMI”.

Na edição desta segunda-feira, o Jornal Nacional noticiou a chantagem feita por Andressa, bem como seu objeto (o dossiê que seria publicado em Veja), mas omitiu o nome da revista e do jornalista.

No entanto, a relação entre Policarpo e Cachoeira é antiga. Num grampo, o bicheiro se vangloria de ter produzido todos os furos de reportagem publicados pelo jornalista. Isso inclui, por exemplo, o vídeo em que Maurício Marinho aparece recebendo uma propina de R$ 3 mil nos Correios – o que detonou o processo do mensalão. Em outra conversa, Cachoeira e Policarpo falam diretamente sobre como uma reportagem de Veja poderia levar à queda do então ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento.

Na CPMI, a única voz que vinha insistindo pela convocação de Policarpo Júnior era o senador Fernando Collor (PTB/AL). No entanto, a blindagem ao jornalista foi comandada pelo relator Odair Cunha, que não colocou em votação os requerimentos pela convocação do jornalista. Além disso, dirigentes dos principais partidos políticos sofreram intensa pressão dos grupos Abril, Folha e Globo para que a CPI do caso Cachoeira não se transformasse em CPI da mídia.

A alquimia pode transformar o BRT Belém em porcaria pública

A alquimia pode transformar o BRT Belém em porcaria pública


A alquimia pode transformar o BRT Belém em porcaria pública

segunda-feira, 30 de julho de 2012

0 opniões
Meu amigo chama o prefeito Duciomar de alquimista. Por que alquimistas, perguntei? Tudo nas mãos da administração dele, inclusive coisas positivas,  tendem a virar problemas para a cidade. É o caso do BRT, um excelente sistema de transportes de massas pensado por Jaime Lerner, ex-prefeito de Curitiba, para ser uma alternativa bem mais barata ao caríssimo metrô. 

O BRT é um sistema de transporte vantajoso sobre os demais. Chega a custar até 20 vezes menos que os transportes de massas sobre trilho. Em Curitiba e Bogotá o BRT foi pioneiramente implantado e funciona perfeitamente, tanto que está sendo copiado e implantado em cidades de quase todos os continentes. Ele ainda tem a vantagem de poder ser implantado por módulos e adaptados a cada realidade. O BRT ajuda a integrar os diversos modais, incluindo a bicicleta e o barco.

Duciomar fez a escolha certa quando optou pelo BRT, mas seus dotes de alquimistas estão colocando o sistema em risco, com possibilidades de graves prejuízos para o povo de Belém, saiba porque.

Pelo andar da carruagem, Duciomar está correndo para entregar apenas um trecho da obra, deixando o resto e os problemas para a próxima administração.  O prefeito faz a obra deixando de considerar as pessoas, a boa técnica, pensando apenas no calendário eleitoral da sua sucessão. 

O rol de desacerto do BRT incluem problemas com a licitação, desacerto com o Estado, financiamento, cronograma da obra e problemas técnicos.

A licitação internacional está repleta de questões controversas, com graves suspeitas de irregularidade, tudo aguardando uma decisão do Poder Judiciário.

O BRT que a prefeitura adotou e o BRT desenhando pela agência japonesa JICA em colaboração histórica com o Governo do Estado (Por falar em Governo do Estado, até agora o projeto estadual não saiu das pranchetas das Agências de Propaganda) não eram o mesmo e chocavam-se em muitos pontos.  O BRT que o Estado estava negociando e que ate já tinha financiamento garantido, integrava toda região metropolitana. O sistema de transporte de Belém não funcionará isoladamente. As pessoas moram em Ananindeua, Marituba e trabalham em Belém, por isso dependente do transporte que circula na nossa cidade.

O prefeito Duciomar, querendo desconhecer esta realidade, tratava apenas do transporte em Belém. A polêmica entre Governo e Prefeitura impediu o inicio da obra. Foi necessário rodadas de negociações até que um acordo foi celebrado entre as partes, ficando cada um com um pedaço do projeto.

A Prefeitura de Belém ficou com Augusto Montenegro e Almirante Barroso do Entroncamento até São Braz. O Estado ficou com a BR 316. Mas até hoje ninguém explicou para os passageiros que vierem dos outros municípios como eles farão para entrar nos ônibus do BRT depois do entroncamento. Descerão em um terminal e pagarão outra passagem? Vocês que fizeram o acordo, nos expliquem, merecemos ser informados.

Duciomar anunciou e até mostrou em propaganda que o Governo Federal estava apoiando e aprovando o seu projeto, mas a verdade é que até agora o Governo Federal não liberou uma só parcela de recursos para implantação do BRT Belém. Duciomar deixará a dívida para o próximo prefeito logo no início do próximo mandato?

Os dois pontos mais preocupantes desta polêmica ação do prefeito Duciomar são, sem dúvidas, o cronograma e os detalhes técnicos do projeto. 

O final do mandato e o tempo da obra teimam em não se coadunar. Todos que observam o rítimo  no canteiro da Almirante Barroso e da Augusto Montenegro e o comparam ao tic tac do relógio do mandato, percebem que não haverá tempo para a obra ficar pronto como deve ser, no curto espaço que restam para Duciomar descer as escadarias do Palácio Antonio Lemos. Duciomar vai criar um cenário de obra pronta e inaugurar apenas para favorecer seu candidato, fazer funcionar uns poucos dias antes das eleições e depois do dia 07 de outubro, o sistema terá suas operações interrompidas para consertar os erros oriundos da irresponsabilidade eleitoral. É possível concordar com tamanha irresponsabilidade?

No caso dos detalhes técnicos, a coisa é mais grave, pois pode significar a cruz que o povo de Belém ira carregar pelo resto da vida. O BRT só funciona bem se for construído atendendo as regras técnicas oriundos de erros e acertos cometidos em Curitiba e Bogota, que serviram de estudos, dos quais surgiram soluções que não podem ser desprezadas agora.

A sociedade  belemense, que vai pagar a conta final do BRT, tem o direito de exigir que os pontos obscuros desta obra sejam esclarecidos urgentemente.

E quais são estes pontos?
  1. Sistema é aberto ou fechado?
  2. Usará tronco-alimentadores ou serviços diretos?
  3. Vai utilizar o serviço expresso ou de paradas reduzidas? 
Capacidade e velocidade são as características do BRT que o coloca a frente dos sistemas de ônibus convencionais, mas para ser eficiente o sistema deve atingir metas mínimas de capacidade e velocidade.

      1. Capacidade ideal é 13000 passageiros por hora e por sentido;
       2. Velocidade média de 23 a 39 kilômetros por hora.

Para conseguir um sistema de alta capacidade e alta velocidade é necessário que o BRT garanta:

  1. Múltiplas posições de paradas nas estações;
  2. Serviços expressos e de poucas paradas;
  3. Veículos articulados com múltiplas portas, portas largas;
  4. Pagamento e controle de pagamento fora dos ônibus;
  5. Plataforma de embarques em nível;
  6. Bons espaços nas estações.

Será que o BRT do Prefeito alquimista atende estas especificações necessárias? 

Para este e outros esclarecimentos não será possível contar com a fiscalização da Câmara Municipal de Belém, composta, na sua maioria, de vereadores subservientes, que não honram os mandatos que o povo lhes concedeu. Com exceção dos poucos vereadores aguerridos da oposição, os demais sempre estiveram contra os interesses dos eleitores de Belém.

A nossa única salvação é a imprensa, isto se ela resolver nos ajudar. A imprensa séria, comprometida, investigativa, bem que poderia perguntar, investigar, debater, antes que Duciomar opere a química e nos deixe de herança uma bela e caríssima porcaria pública. 

A Perereca da Vizinha: Belém: FNDC debaterá o papel da liberdade de expressão


Belém: FNDC debaterá o papel da liberdade de expressão na democracia brasileira

O Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) realiza em Belém, no próximo dia 2 de agosto, quinta-feira, a partir das 18 horas, debate sobre o papel da liberdade de expressão na democracia brasileira.

O debatedor é Orlando Guilhon, professor, radialista, membro do FNDC e representante da Associação de Rádios Públicas do Brasil (ARPUB).

O evento acontecerá na sede do Sindicato dos Urbanitários do Pará, na Avenida Duque de Caxias, 1234, entre Lomas Valentina e Enéas Pinheiro, no bairro do Marco.

Na pauta estão temas que envolvem profissionais de comunicação, alunos, professores, gestores de instituições públicas, empresários do segmento privado e representantes da sociedade civil.

Serão discutidos o marco regulatório para as comunicações no país, a implantação da banda larga, o marco civil na internet, a legislação das televisões por assinatura, o papel do Conselho de Comunicação Social, e os desafios colocados para o Conselho Curador da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC).

Será detalhada, ainda, a retomada da organização do Fórum Estadual de Democratização da Comunicação no Estado do Pará.

De acordo com Vera Paoloni, da secretaria de Comunicação da Central Única dos Trabalhadores do Pará (CUT-Pará), o movimento pela democratização da comunicação está se reorganizando no Estado e é um desafio permanente.

A regulação legal da imprensa brasileira ainda é feita hoje por um conjunto de leis da década de 60, por isso carece de profundos avanços, mesmo com as conquistas alcançadas nas diversas conferências de comunicação realizadas em todo o Brasil.

Segundo Vera, dados de um estudo do FNDC, denominado “Donos da Mídia”, revelam que o Brasil tem aproximadamente 10 mil veículos de comunicação, dos quais quatro grandes grupos nacionais controlam diferentes mídias, estabelecendo oligopólios que disseminam e universalizam as informações – quase que um pensamento único -, sem que haja, na maior parte dos casos, o devido contraponto e o direito ao contraditório, para que o leitor possa formar a sua própria opinião sobre os fatos.

“Mudar esse cenário é democratizar a comunicação. Outro caminho é colocar em prática uma consulta pública sobre o papel dos meios de comunicação. Assim, criamos alternativas para superar estes desafios, além de outras ações”, sugere a sindicalista.

Vera enfatiza que se as conferências públicas realizadas sobre os setores de saúde, educação e direitos humanos, por exemplo, produziram resultados importantes, com a formulação de diversas políticas públicas, como ocorre com a Comissão da Verdade, que busca a resgatar a memória coletiva do que ocorreu entre as décadas de 60 e 80 no Brasil, o mesmo tem que ocorrer na área da comunicação.

“A democratização da comunicação, também discutida em conferência nacional, não pode fugir à regra para que a jovem democracia brasileira avance e se consolide”, diz.

O Fórum Nacional Pela Democratização da Comunicação (FNDC) foi criado em julho de 1991, como movimento social, e transformou-se, posteriormente, em entidade em 20 de agosto 1995. Congrega entidades da sociedade civil para debater a democratização nos comitês regionais em todo o País.

AMAURY PEGA TUCANOS NA LISTA DE FURNAS


AMAURY PEGA TUCANOS NA LISTA DE FURNAS

Arsenal de documentos comprova a existência de um “mensalão” organizado por Dimas na estatal.




O Conversa Afiada republica matéria do site Hoje em Dia:
MINISTÉRIO PÚBLICO DENUNCIA ‘MENSALÃO’ DE FURNAS

Amaury Ribeiro Jr. – Do Hoje em Dia

A procuradora da República no Rio Andrea Bayão Ferreira denunciou o ex-diretor de Planejamento de Furnas, Dimas Toledo, e um grupo de empresários e políticos acusados de participarem da chamada Listas de Furnas – a caixinha de campanha clandestina que funcionou na empresa estatal durante o governo de FHC. A denúncia reúne um arsenal de documentos da Polícia Federal e da Receita Federal que, além de atestar a veracidade, comprova a existência de um “mensalão” organizado por Dimas na estatal.

De acordo com a procuradora, o mensalão de Furnas provocou o enriquecimento de funcionários públicos, empresários e lobistas, acusados de alimentarem os financiamentos ilegais de campanha políticas dos tucanos e de seus aliados com o dinheiro público. Segundo a denúncia, o esquema era custeado pelos contratos superfaturados assinados pela estatal com duas empresas : a Toshiba do Brasil e a JP Engenharia Ltda. As duas foram contratadas sem licitação pública para realizar obras no Rio . “ O diretor Dimas Toledo reproduziu, em Furnas, o esquema nacional que ficou conhecido como ‘ mensalão’ – um esquema de arrecadação de propina – na ordem de milhões, custeado mediante o superfaturamento de obras e serviços”, diz a procuradora na denúncia.

A lista

A lista de Furnas, assinada pelo próprio Dimas Toledo, traz o nome de políticos que receberam doações clandestinas de campanha da empresa estatal em 2002. Entre os beneficiados estão os ex-governadores de São Paulo e de Minas Gerais, e outros 150 políticos.

Réus confessos

Os próprios executivos da Toshiba do Brasil – uma das empresas que financiavam o esquema – confirmaram a existência de um caixa dois que sustentava mesada de servidores e políticos. O superintendente Administrativo da empresa japonesa, José Csapo Talavera, afirmou, por exemplo, que os contratos de consultoria fictícios das empresas de fachada, até 2004 , eram esquentados por um esquema de “notas frias”.

Escuta quente

As escutas da Polícia Federal desmentem que o lobista Nilton Monteiro teria tentando falsificar a lista. Pelo contrário. “Durante a intercepção das linhas telefônicas usadas por Nilton Monteiro, nada foi captado que indicasse a falsidade da lista, ao revés, em suas conversa telefônicas, inclusive com sua esposa, sustenta que a lista é autêntica”, diz a procuradora.

Jefferson confirmou

Um dos políticos citados na lista, o ex-presidente do PTB e ex-deputado Roberto Jefferson(PTB) também confirmou à PF a veracidade do documento. De acordo com o depoimento anexado à denuncia do MP, Jefferson disse ter recebido, na campanha para deputado federal em 2002, R$ 75 mil da estatal. A grana foi entregue pelo próprio Dimas Toledo a Jefferson num escritório no centro do Rio.

Peritos

Mas a prova cabal de que a lista de Furnas é mesmo verdadeira acabou sendo fornecida por peritos da Polícia Federal. Em depoimento à PF, além de confirmarem a autenticidade da assinatura de Dimas Toledo, os peritos descartaram a possibilidade de montagem.

Chantagem

De acordo com a denúncia, a lista com o nome de políticos que receberam doações clandestinas da estatal teria sido elaborada pelo próprio Dimas Toledo, que pretendia usá-la para manter-se no cargo. O próprio diretor da estatal teria entregue o material ao lobista, que tentou l negociá-la com os adversários políticos do PSDB.

Trânsito

Dimas Toledo confirmou que o lobista tinha trânsito livre na estatal. Dimas disse ter, inclusive, marcado um encontro do lobista com o departamento jurídico da estatal.

Indiciamento

Além de Jefferson, o MPF denunciou Dimas Toledo, mas deixou de fora caciques do PSDB citados, sob o argumento de que eles são alvos específicos de uma investigação da PF e do MPF sobre os beneficiários da caixinha de campanha alimentada pela empresa estatal.

Vara da Fazenda

O destino de Dimas e de outros operadores de Furnas será julgado pela Vara da Fazenda do Rio. Apesar de Furnas ser uma empresa estatal, a Justiça Federal do Rio encaminhou a denuncia do MPF à Justiça Estadual Fluminense.

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Blog do Puty: Governo Federal reduz tarifa de energia elétrica

Blog do Puty: Governo Federal reduz tarifa de energia elétrica:

O Governo Federal deve ajustar a tarifa de energia elétrica, tirando da conta alguns encargos, que em média, na prática, deve reduzir cerca de 8% do que é repassado aos consumidores. Os encargos serão de responsabilidade do Tesouro Nacional. O governo ainda estuda a possibilidade de diminuir taxas como as Cofins e PIS/PASEP, o que reduziria até 15% das tarifas.

Sabe-se que o maior imposto cobrado na conta é o ICMS, que é prerrogativa dos governos estaduais tarifarem.



Enquanto isso...
A Aneel anunciou um aumento de tarifa de energia, para até final de julho, que teria validade oficial, a partir de 7 de agosto. O Grupo Rede Celpa, que negocia com o grupo Equatorial a venda da empresa (endividada) diz que o aumento da tarifa é imprescindível para essa negociação.

Ou seja, mais uma forma de fazer negócio, repassando para o consumidor paraense os valores reajustados.
Nesse jogo, que já debatemos aqui no blog do Puty, sabe-se também que o governo Jatene é avalista da Celpa, e no caso de suspensão dos pagamentos de dívidas durante o processo de recuperação judicial, arca com as despesas. Nesse bojo, o governo já desonerou a Celpa de pagamento de ICMS, e (como poder público) vem absorvendo as dívidas da má gestão privada ( Privataria) da empresa.

Você já sabe também que o deputado Puty entrou com representação junto ao Ministério Público Federal, para impedir esse aumento da tarifa.

Relembrando

Está marcada para o dia 09 de agosto a Assembleia de Credores da Celpa, no Hangar, que deve decidir o destino da empresa, que apresentou plano de recuperação.

Blog da Franssinete Florenzano: O mistério das folhas de pagamento

Blog da Franssinete Florenzano: O mistério das folhas de pagamento:

O povo quer saber: por que é que o Governo do Estado e o Tribunal de Contas dos Municípios do Pará não divulgam a relação dos seus servidores, com os respectivos cargos e salários, adotando postura de flagrante afronta à Lei do Acesso à Informação, à Lei de Diretrizes Orçamentárias e aos princípios constitucionais da publicidade, da transparência e da moralidade pública?

domingo, 29 de julho de 2012

Se fosse séria, a mídia estaria discutindo Reforma Política e não Mensalão !!


O mês de agosto começa de forma desafiadora para o Partido dos Trabalhadores, isso porque o PIG (Partido da Imprensa Golpista) já se preparou para fazer do julgamento do chamado “Mensalão do PT” um verdadeiro ataque visceral ao partido.

Movida pelo ódio, pelo revanchismo e principalmente pela forte estratégia oposicionista a que se dedica, a conduta da imprensa golpista visa atingir o PT e o ex presidente Lula para tentar “colar” neles uma imagem identificada com o malfeito, coma corrupção, bem diferente da imagem que povo guarda hoje do governo Lula.

Na verdade o PIG montou uma estratégia de cobertura midiática para 'patrulhar' e impor ao STF a sua versão dos fatos, para a qual todas as horas do julgamento serão desnecessárias, posto que para o PIG não precisaríamos de julgamento nenhum, todos já são culpados, o ex ministro Zé Dirceu é um gangster e o Lula é o “pai da corrupção no Brasil”.

Na prática o PIG sabe que há uma grande possibilidade do STF inocentar vários dos denunciados pelo “isento” chefe do MP e quer manipular a opinião pública para criar um falso clima de faxina nacional, para a qual a condenação é condição essencial.

Infelizmente, estamos perdendo mais uma oportunidade para discutir a reforma política no Brasil. Se tivéssemos uma imprensa verdadeiramente séria nesse país, a cobertura seria no sentido de demonstrar o modus operandi do financiamento da política brasileira, que tem nos recursos públicos sua verdadeira fonte de financiamento, vis-à-vis os chamados “Mensalão do PSDB”, “Mensalão do DEM” e o tradicional “Terço” do PMDB, todos instituídos com derramamento de dinheiro público.

É uma merda !!

EU DISSE: A GENTE ERA FELIZ E NÃO SABIA. O PROBLEMA NUNCA FOI O R10, ERA O JOEL E CONTINUA SENDO A PATRICIA AMORIM !!


Altamiro Borges: Gilmar Mendes, CartaCapital e os bandidos

Por Altamiro Borges

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), ficou irritadíssimo com a matéria de capa da CartaCapital desta semana. Ele já anunciou que irá processar a revista. Em conversa com Reinaldo Azevedo, o pitbull da Veja, ele chegou a dizer que a reportagem é “coisa de bandidos” e insinuou que ela foi obra do PT. “Cheguei a pensar que eles fossem me acusar de ter matado o Celso Daniel”.

A matéria da CartaCapital, com base em documentos que revelam que Gilmar Mendes recebeu R$ 185 mil do caixa dois da campanha à reeleição de Eduardo Azeredo ao governo mineiro, em 1998, agitou o STF – que se prepara para julgar o chamado “mensalão do PT”. Ela colocou em suspeição a participação no julgamento do ministro, agora acusado de envolvimento no chamado “mensalão tucano”.

"Autoritário até a truculência"

Diante da ameaça da abertura de processo, o jornalista Mino Carta, proprietário e editor da CartaCapital, desdenhou o bravateiro. “Autoritário até a truculência, Mendes é aquele que chamou às falas o presidente Lula. E denunciou ser vítima do grampo, executado pelos agentes da Abin, de suas conversas com o amigão Demóstenes Torres, escuta que nunca houve”.

“Mendes é sócio de um instituto de ensino, a contrariar a Lei Orgânica da Magistratura, que exige dedicação exclusiva... Mendes é também acusador de Lula ex-presidente, apontado, um mês depois dos eventos alegados, como autor de pressões para influenciar seu voto no processo do ‘mensalão’. Foi desmentido inexoravelmente pelo próprio ex-ministro Nelson Jobim, anfitrião do encontro com Lula”.

Suspeição mais que evidente

Para Mino Carta, a reportagem de capa desta semana simplesmente faz o ministro do STF voltar à ribalta. Ela talvez explique as razões do seu voto contrário à investigação do chamado “mensalão tucano” e justifique a sua exclusão do julgamento do chamado “mensalão do PT”. Como conclui o editor da CartaCapital, “a suspeição de Mendes no processo que se inicia é muito mais que evidente”.

Altamiro Borges: Sarah Menezes e o Bolsa Atleta

Altamiro Borges: Sarah Menezes e o Bolsa Atleta:
Por Altamiro Borges

A judoca Sarah Menezes conquistou neste sábado a primeira medalha de ouro do Brasil nas Olimpíadas de Londres. A vitória é das mais significativas. É o primeiro ouro na história do judô feminino, o terceiro no judô em geral e o segundo das mulheres brasileiras em esportes individuais. Ela também é muito significativa por ter sido conquistada por uma esportista que se projetou graças ao programa Bolsa-Atleta do Ministério dos Esportes. É um cala-boca nos neoliberais que criticam a “gastança pública” dos governos Lula e Dilma.

Natural de Teresina, capital do Piauí, a jovem atleta de apenas 22 anos teve muitas dificuldades na sua carreira. Teve que enfrentar os obstáculos financeiros de uma família pobre e até o preconceito contra um esporte considerado masculino pelo seu pai. O programa Bolsa-Atleta viabilizou sua persistência no esporte e nos estudos. Atualmente, ela cursa o quinto período do curso de Educação Física e continua a treinar na sua cidade natal. Hoje, inclusive, ela já conta com três patrocínios privados para os seus treinamentos.

Orgulho dos brasileiros

Feliz com o ouro olímpico, Sarah declarou que sempre acreditou no seu potencial e esforço. “Sei que sou um exemplo no judô porque não sou dos grandes centros. E serei ainda mais depois disso... Acho que as coisas vão melhorar tanto para mim quanto para a minha família. Financeiramente vai melhorar. E também para quem treina comigo”, declarou, emocionada, logo após a vitória.

A presidenta Dilma parabenizou Sarah Menezes e também Felipe Kitadai, que conquistou a medalha de bronze no judô. “Em nome de todos brasileiros, quero parabenizar os dois atletas pela brilhante conquista. O Brasil comemora a vitória de seus atletas e o governo se orgulha de ter contribuído para essa conquista com o Programa Bolsa Atleta, que vem tendo importante papel na profissionalização de nossos esportistas”.

sábado, 28 de julho de 2012

Rui Falcão fala sobre o chamado “mensalão”

Rui Falcão fala sobre o chamado “mensalão”

Rui Falcão, presidente nacional do PT (Foto:Ricardo Weg/PT)

Confira o pronunciamento do presidente nacional do PT sobre o julgamento do caso pelo STF

Está prevista para a próxima semana, o julgamento da Ação Penal 470, apelidada por um ex-deputado e pela mídia como “Mensalão”. O processo incluiu alguns militantes do PT, injustamente acusados por crimes cuja a comprovação não se sustenta na longa denúncia da procuradoria.

Em primeiro lugar, sempre afirmamos estar plenamente demonstrado nos depoimentos das testemunhas: não houve compra de votos no Congresso Nacional, tão pouco houve pagamento - nem mensal, nem a qualquer título - a parlamentares a votar a favor do governo.

Os repasses e recursos destinados a pagar despesas de campanha, de diretórios do PT e de partidos aliados, não guardavam relação com apoio a projetos do governo. Aliás alguns dos projetos foram aprovados com votos da oposição. Fica claro por tanto, que não houve o chamado mensalão.

Outro fato importante que eu quero destacar: não houve, da parte dos petistas denunciados, qualquer utilização de recursos públicos, nem recursos ilícitos. Foram empréstimos contraídos junto a bancos privados, que já foram quitados pelo partido.

Também achamos fundamental esclarecer outro ponto: Nenhum dos petistas acusados se beneficiou de qualquer recurso para fins pessoais, da mesma forma nenhum deles enriqueceu.

Por confiarmos nos militantes denunciados, por acreditarmos na sua inocência, queremos aqui expressar nossa solidariedade a todos eles e nesse momento vimos a público manifestar o nosso pleito por um julgamento justo. A despeito dos que clamam pelo linchamento moral, pela condenação política dos companheiros, nossa expectativa é outra. Esperamos que os ministros do STF, como é da tradição da corte suprema, firmem sua convicção e se pronunciem exclusivamente com base das provas dos autos.

(Assessoria Rui Falcão)


Revista Veja passa dos limites. Se fosse no Reino Unido, seus editores seriam presos. Lamentável !!

"Plano de fuga" é último tiro de Veja em Dirceu | Brasil 247

Foto: Reprodução

NA ÚLTIMA EDIÇÃO ANTES DO JULGAMENTO, PUBLICAÇÃO FALA DE SUPOSTA TENTATIVA DE FUGA DO EX-MINISTRO; AO CONTRÁRIO DO QUE A REVISTA INFORMA, ELE ASSISTIRÁ AO JULGAMENTO DE UM SÍTIO EM VINHEDO (SP); SEGUNDO A DIREÇÃO DA REVISTA, JULGAMENTO IRÁ DEFINIR SE BRASILEIROS PODEM SE ORGULHAR OU NÃO DO PAÍS

247 – A revista Veja queimou seu último cartucho dirigido ao ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, neste fim de semana. Na derradeira reportagem antes do julgamento, que se inicia na próxima quinta-feira, Dirceu estampa a capa intitulada “réu”, mas cuja foto dá a entender “culpado”.

O texto, assinado por Otávio Cabral, traça um perfil psicológico do ex-ministro e fala do “lado escuro” da sua alma. Insinua, por exemplo, que o principal líder do PT, afora o ex-presidente Lula, talvez tenha sido agente infiltrado da ditadura. Ou eventual traidor de seus companheiros de guerrilha em Cuba.

Sobre o julgamento em si, uma única revelação. Diz o texto que Dirceu estaria cogitando fugir do Brasil, em caso de condenação. Isso mesmo, dar o fora. A única evidência seria uma frase, supostamente dita por ele, num jantar na casa do advogado Ernesto Tizulrinik: “Para quem já viveu o que eu vivi, sair daqui clandestino de novo não custa nada”. Na reportagem, não há quem confirme a frase, mas, enfim, haveria um plano de fuga, em caso de eventual condenação a prisão.

Veja aborda todas as possibilidades imaginadas pelo ex-ministro. Em caso de absolvição, ele cogitaria concorrer ao governo do Distrito Federal, em 2014, impedindo a reeleição de Agnelo Queiroz. Em caso de prisão, ele denunciaria o Brasil à OEA – caso, é claro, não fuja. Mas o cenário mais provável, segundo a revista, seria uma condenação branda, por crimes já prescritos, sem pena de prisão.

Não é, no entanto, o que deseja a revista. Na sua Carta ao Leitor, Eurípedes Alcântara, diretor de Veja, expressa o desejo da Abril: “O que está em jogo é que página da história nossa geração escreveu neste começo de século XXI – uma página que pode nos envergonhar ou da qual nós, nossos filhos e netos vamos nos orgulhar.”

Em tempo: Dirceu não pretende fugir do País. Acompanhará o julgamento de seu sítio, em Vinhedo (SP), ao lado de advogados.

sexta-feira, 27 de julho de 2012

CartaCapital: O valerioduto abasteceu Gilmar Mendes « Viomundo – O que você não vê na mídia

CartaCapital: O valerioduto abasteceu Gilmar Mendes « Viomundo – O que você não vê na mídia

Denúncias
CartaCapital: O valerioduto abasteceu Gilmar Mendes
publicado em 27 de julho de 2012 às 13:21

Exclusivo CartaCapital

CartaCapital publica na edição que chega às bancas em São Paulo nesta sexta-feira 27 uma lista inédita de beneficiários do caixa 2 da campanha à reeleição do então governador Eduardo Azeredo em 1998. O esquema foi operado pelo publicitário Marcos Valério de Souza, que assina a lista, registrada em cartório. O agora ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes aparece entre os beneficiários. Mendes teria recebido 185 mil reais.



Há ainda governadores, deputados e senadores na lista. Entre os doadores, empresas públicas e prefeituras proibidas de fazer doações de campanha. O banqueiro Daniel Dantas também aparece como repassador de dinheiro ao caixa 2.

A documentação foi entregue à Polícia Federal pelo advogado Dino Miraglia Filho, de Belo Horizonte. Ele defende a família da modelo Cristiana Aparecida Ferreira, assassinada em 2000. Segundo Miraglia, a morte foi “queima de arquivo”, pois a modelo participava do esquema e era escalada para transportar malas de dinheiro. Na lista, Cristiana aparece como destinatária de 1,8 milhão de reais.

Leia também:

Marcos Coimbra: Gilmar Mendes conseguirá julgar com isenção?

Cynara Menezes: Gilmar Mendes tentou usar Ayres Brito como escada

Bob Fernandes: Tudo muito estranho, estranhíssimo

Voar contradiz versão de Gilmar Mendes

Blog da Ana Júlia - Jatene brinca com a saúde do povo.


Jatene brinca com a saúde do povo.

As denúncias sobre a superlotação na Santa Casa de Misericórdia continuam. Agora, descobriu-se que os novos leitos de UTI anunciados pelo governador para desafogar o atendimento a bebês em situação de risco não passaram de pirotecnia. Na verdade, as máquinas foram montadas apenas para as filmagens e fotografias, sendo depois encaixotadas novamente.

Jatene está brincando com o povo. Ou melhor, com a vida do povo.

Em meu governo, enfrentamos um problema grave no mesmo hospital. É fato que o problema é oriundo da municipalização dos serviços de saúde, que aconteceu sem que os municípios tivessem estrutura para comportar estes serviços. Logo, ele só poderá ser combatido através de um apoio do governo estadual aos municípios, para que proporcionem uma atenção básica em saúde de qualidade. Para isso, instituímos o Programa de Atenção Básica, que repassava aos municípios recursos, ajudando a custear aos serviços de saúde. Mas este repasse já não é mais feito.

Instalamos também Unidades de Cuidados Intermediários em hospitais municipais e conveniados com o SUS, para dar a assistência necessária a parturientes com gravidez de risco, desafogando o atendimento na capital e salvando vidas. Foram inauguradas 6 UCIs Neo-Natais: Belém(Hospital Abelardo Santos), Abaetetuba, Ananindeua, Castanhal, Bragança e Parauapebas.

Ajudamos os municípios a aumentar as equipes do programa saúde da família. O programa, que atendia 21,64% da população de 119 municípios em 2006 passou a cobrir 41% em 137 municípios. Aplicamos ao longo de 4 anos cerca de 5,3 bilhões de reais na saúde pública, 37,5% a mais do que o governo anterior.

Cuidamos também da Santa Casa. Investimos na ampliação dos serviços de UTI, com a instalação de 18 novos leitos, dando um salto de quase 90% neste tipo de leitos do hospital. Fora o investimento na construção do novo prédio da Santa Casa. Orçada em R$ 110,8 milhões, a nova Santa Casa terá 180 novos leitos, quase duplicando a capacidade de atendimento do prédio atual, tornando-a moderna e capaz de satisfazer as necessidades da população.

Convém destacar que a obra, recebida por Jatene em andamento e com recursos garantidos, andou a passos de tartaruga. Recentemente ela tem aparecido na publicidade oficial como uma obra de Jatene. Mas o povo paraense sabe quem cuidou da saúde das nossas mulheres e crianças, não é mesmo?

Outros investimentos na Santa casa de Misericórdia:

Foram investidos R$ 12.563.249,66 na aquisição de equipamentos, reformas do prédio e capacitação de profissionais de todos os setores.

Investimentos de R$ 6.000.000,00 em obras de adaptação e novos equipamentos (ressonância magnética e tomógrafo) com capacidade de duplicar as tomografias e realizar 500 ressonâncias/mês.

Recuperação completa do Centro Obstétrico, Área de Pré - Parto, Parto e Pós Parto; com troca de mobiliários e equipamentos .

Reforma completa do centro cirúrgico e enfermarias - R$ 1.500.000,00 investidos.

Implantação do "Novo Espaço Acolher" para hospedar e atender as vitimas de "escalpelamento" e seus acompanhantes durante o tratamento (em espaço externo à área hospitalar).

Inauguração da "Nova UTI Pediátrica" que duplicou os leitos (de 5 para 10).

Implantação de novos programas de residência médica e contratação de 108 preceptores para todos os programas.

Ampliação das taxas de sobrevida de recém nascidos em todas as faixas de peso; ampliamos de 25% para 38,1% entre os mais graves (peso menor de 1.000 gr ) .

Criação do "Projeto Parceiras do Peito", para prevenção do câncer de mama.

Parceria com a AMAM de capacitação continuada de profissionais de saúde do Marajó (PROJETO SUSPENSO ATUALMENTE).

"Premiação Bronze" em qualidade de gestão - 2009 e 2010 .

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Marcio Braga entra com pedido de impeachment de Patricia | globoesporte.com

Marcio Braga entra com pedido de impeachment de Patricia | globoesporte.com


Marcio Braga entra com pedido de impeachment de Patricia
Ex-presidente diz que atende a pedido de torcedores e alega gestão temerária para destituí-la do cargo no Flamengo

Por Eduardo Peixoto e Janir JúniorRio de Janeiro


Marcio Braga diz que contrato com Ronaldinho era
lesivo ao Fla (Foto: Paulo Jacob / Ag. O Globo)

Nesta quinta-feira, dia em que desembarca em Londres para aproveitar as duas semanas de licença da presidência, a presidente do Flamengo, Patricia Amorim, receberá a oficialização de que um de seus principais opositores, o ex-presidente Marcio Braga, entrou com um pedido para afastá-la da presidência por um processo de impeachment. O documento, elaborado por um renomado escritório de advocacia carioca, baseia-se no artigo 27 da Lei Pelé, que trata de gestão temerária, e será entregue ao Conselho Deliberativo do Flamengo ao meio-dia desta quinta.

A argumentação para tirá-la do cargo tem mais de 40 páginas e aponta, dentre outros pontos, a relação entre Flamengo e a empresa Locanty, a falta de patrocínio e os contratos do atacante Deivid e de Ronaldinho Gaúcho.

- Fiz isso porque não aguento mais dar respostas nas ruas aos torcedores comuns. De motorista de táxi a ascensorista. Todos querem a Patricia fora do Flamengo. Do jeito que está não pode ficar – disse Marcio Braga.

Durante a entrevista, o ex-presidente recebeu a ligação de fundadores de torcidas organizadas do Flamengo. Em outro ponto da cidade, eles discutiam um movimento que terá um outdoor pedindo a saída de Patricia e um cartaz sugerindo o “Dia do Fico... em Londres” para a presidente.

Um dos anexos do documento encaminhado ao Conselho terá a minuta do contrato entre Flamengo e Ronaldinho. Este é o maior foco de revolta do ex-presidente. Ele alega que há uma cláusula lesiva: se o Flamengo deixasse de pagar duas prestações teria de quitar o restante do contrato de forma integral, acrescido de uma multa de R$ 5 milhões.

- Fiz a besteira de ler o contrato antes de dormir. Perdi o sono e só consegui dormir às 3h da manhã, à base de remédio. Isso me deu um misto de revolta e medo. É uma coisa horrorosa. Por isso ela não mostra a ninguém – declarou.

A comissão de inquérito tem 30 dias para analisar o processo. Se não conseguir afastar Patricia imediatamente do cargo, Marcio Braga pretende impedi-la de concorrer às eleições de dezembro.

Carta Maior - Blog das Frases - PSDB: O Estado-anunciante e a liberdade suja

Carta Maior - Blog das Frases - PSDB: O Estado-anunciante e a liberdade suja

A representação do PSDB ao Procurador Geral Eleitoral contra blogs que criticam suas lideranças e agenda partidária, é um pastel revelador. O recheio exala as prendas do quituteiro; a oleosidade da fritura qualifica o estado geral da cozinha. Na primeira mordida fica explícito que a referência de 'bom' jornalismo do PSDB é a revista VEJA, uma ferradura editorial adestrada para escoicear três dimensões da sociedade: agendas progressistas; lideranças que as representem; governos que lhes sejam receptivos.

Curto e grosso, o poder tucano pleiteia a asfixia publicitária - com supressão de publicidade estatal -de qualquer outra forma de imprensa que não se encaixe no tripé que o espelha. A singular concepção de pluralidade afronta boa parte dos sites e blogs alternativos que se reservam o direito de exercer a crítica política da sociedade e do desenvolvimento de uma perspectiva não conservadora. 'São blogs sujos', fuzila a representação tucana, cuja coerência não pode ser subestimada. Há esférica sintonia entre a forma como o PSDB se exprime e o higienismo de uma prática que São Paulo, a 'cidade limpa', tão bem conhece.

O tema da publicidade estatal mereceria um discernimento mais amplo do que o reducionismo estreito do interesse eleitoral tucano. O Estado deve se comunicar com a sociedade. A comunicação deve se pautar pelo interesse público. Campanhas educativas e institucionais não podem ser confundidas com propaganda partidária, nem servir aos seus interesses, sejam eles quais forem. Dito isso, resta o ponto sensível ao PSDB: quem merece veicular tais mensagens de pertinência pública reconhecida?

O tucanato e certos 'especialistas em comunicação' parecem convergir, ainda que por caminhos diversos, a um consenso: a mídia alternativa deve ser alijada dessa tarefa. O 'Estado anunciante', uma corruptela do cacoete neoliberal 'Estado interventor', teria atingido, asseguram, uma hipertrofia perigosa; deslizamos a centímetros do abismo anti-democrático. No país que tem um dispositivo com o poder intromissor da Rede Globo, insinua-se que a principal ameaça à democracia é o Estado impor seu 'monólogo' à sociedade. Afirma-se isso com ares de equidistância acadêmica e engajamento liberal,.

Passemos.

Evitar essa derrocada exigiria um veto cabal a toda e qualquer publicidade oriunda da esfera pública? Em termos. Na verdade, não seria exatamente essa essa a malha do coador tucano. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em artigo esclarecedor no 'Estadão', de 3 de junho último, foi ao ponto: “Será que é democrático", disse ele, "deixar que os governos abusem nas verbas publicitárias ou que as empresas estatais, sub-repticiamente, façam coro à mesma publicidade sob pretexto de estarem concorrendo em mercados que, muitas vezes, são quase monopólicos? (...) O efeito deletério desse tipo de propaganda disfarçada não é tão sentido na grande mídia, pois nesta há sempre a concorrência de mercado que a leva a pesar o interesse e mesmo a voz do consumidor e do cidadão eleitor. Mas nas mídias locais e regionais o pensamento único impera sem contraponto.”

É isso. O grão tucano adiciona nuances na investida contra o Estado anunciante. Nas páginas de 'Veja', e sucedâneos, não haveria risco de influencia editorial. Ali a 'voz do consumidor e a concorrência' preservam a 'isenção do jornalismo'. "Mas nas mídias locais e regionais...' Quais? Sobretudo aquelas que incomodam ao engenho e à arte tucana de governar e fazer política.

'Especialistas em comunicação' com passagem pelo governo Lula - experiência descrita sempre como 'traumática, mas de uso conveniente nos salões conservadores - reivindicam, é bem verdade, uma intolerância mais abrangente contra o 'Estado-anunciante'. No limite, advertem, o uso da máquina publicitária instrumentalizaria um poder de coerção de tal forma desproporcional que ameaçaria a própria alternância no poder. A evocação colegial de um ambiente quase-nazista sob o terceiro Reich petista tem, como se sabe, audiência cativa em certos veículos e tertúlias filosóficas de endinheirados. Mas o libelo anti-totalitário tropeça nos seus próprios termos ao não adotar idêntica ênfase na denúncia de uma oligárquica estrutura de propriedade do sistema de comunicação que, esta sim, instituiu um verdadeiro diretório paralelo no país, arvorado em corregedor das urnas, da economia e da ética.

A hipocrisia que perpassa esse descuido pertence a mesma matriz ideológica que inspirou agora a representação tucana contra os 'blogs sujos'. Contra ela Brecht resolveu cunhar um dia a metáfora de hígida atualidade: 'O que é assaltar um banco, em comparação com fundar um banco?' Leia neste endereço, a íntegra da sugestiva representação do PSDB que pede, especificamente, a investigação dos blogs de Luis Nassif e Paulo Henrique Amorim.

Postado por Saul Leblon

Dorival Júnior acerta com o Fla e assina até o fim de 2013 | globoesporte.com

Dorival Júnior acerta com o Fla e assina até o fim de 2013 | globoesporte.com


Depois de se reunir com diretor de futebol, treinador acerta detalhes, assume vaga deixada por Joel Santana. Estreia seria neste domingo
Por Janir JúniorRio de Janeiro
61 comentários
Dorival Júnior, técnico do Inter (Foto: Diego Guichard / GLOBOESPORTE.COM)Dorival deve estrear na partida contra o São Paulo
(Foto: Diego Guichard / GLOBOESPORTE.COM)
Agora, é oficial. Depois de uma longa reunião com o diretor de futebol do Flamengo,  Zinho, na tarde desta quarta-feira, Dorival Júnior é o novo técnico do Flamengo. Ele assinou contrato até o fim de 2013 e chega com sua comissão composta por dois auxiliares (Lucas Silvestre e Ivan Izzo) e um preparador físico (Celso de Rezende). Ele estará no Engenhão para o jogo com a Portuguesa, nesta quinta-feira, às 21h (de Brasília), mas deve assistir à partida em uma das cabines do estádio. A princípio, o time deve ser comandado pelo interino Jaime de Almeida.
Dorival chega para ocupar a vaga deixada por Joel Santana, demitido na última segunda-feira, depois da derrota por 1 a 0 para o Cruzeiro. A estreia do novo treinador deve acontecer contra o São Paulo, domingo, no Morumbi.
Dorival Júnior foi demitido pelo Inter na última sexta-feira, depois da derrota por 3 a 1 para o Atlético-MG, em Belo Horizonte. Contratado em agosto de 2011, treinou o time gaúcho em 63 partidas, com 33 vitórias, 12 derrotas e 18 empates e 61,9% de aproveitamento. Conquistou o título da Recopa Sul-Americana e o Gauchão deste ano. Não resistiu, porém, ao fraco desempenho durante a atual temporada. Na Libertadores, o Inter se classificou para a segunda fase como pior segundo colocado.
O técnico deixou o time na oitava colocação no Brasileirão, com 16 pontos. Foram quatro vitórias, quatro empates e duas derrotas. A direção entendeu que a campanha poderia ser melhor no nacional, mesmo com todos os desfalques, como Oscar e Leandro Damião - cedidos para a Seleção que disputa os Jogos Olímpicos de Londres.
Antes do Colorado, o treinador trabalhou no Atlético-MG. Chegou ao clube no fim de setembro de 2010. Naquele momento, faltavam 14 rodadas para o fim do Campeonato Brasileiro, e o Galo estava na zona de rebaixamento. Com um aproveitamento de 57% dos pontos, Dorival teve sete vitórias, três empates e quatro derrotas, números que livraram o time da degola e ainda deram vaga na Copa Sul-Americana da temporada seguinte.
Em 2011, no entanto, o desempenho caiu. O Galo foi eliminado na Copa do Brasil pelo Grêmio Prudente (atual Grêmio Barueri) e perdeu a final do Mineiro para o rival Cruzeiro. No total, comandou o Atlético-MG em 50 jogos, com 25 vitórias, dez empates e 15 derrotas.
Dorival também conduziu o Santos na conquista do Paulistão e da Copa do Brasil de 2010. O treinador deixou o clube depois de um desentendimento com o atacante Neymar. Em 2009, o treinador ajudou a reconduzir o Vasco à elite do Brasileiro com a conquista da Série B.

Lucro da Vale cai 48,3% no segundo trimestre | Valor Econômico

Lucro da Vale cai 48,3% no segundo trimestre | Valor Econômico
Por Rafael Rosas | Valor

RIO - A Vale fechou o segundo trimestre com lucro líquido de R$ 5,31 bilhões, uma baixa de 48,3% em relação a igual período do ano passado, quando o ganho foi de R$ 10,28 bilhões. Em relação ao primeiro trimestre, o lucro da mineradora caiu 20,9%.

A receita operacional da companhia caiu 2,3%, para R$ 23,91 bilhões, entre abril e junho, na comparação com os R$ 24,48 bilhões de igual período de 2011. Na comparação com os três primeiros meses de 2012, houve alta de 19% na receita operacional.

Já o lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) caiu 30,3%, para R$ 10,10 bilhões, contra R$ 14,48 bilhões entre abril e junho de 2011. Em relação ao primeiro trimestre, o Ebitda subiu 14,8%.

O lucro da companhia ficou abaixo da prévia feita pelo Valor junto a integrantes do mercado, que calculavam um ganho entre R$ 6 bilhões e R$ 7 bilhões no segundo trimestre.

Efeito cambial

O lucro líquido da Vale no segundo trimestre sofreu o impacto de “efeitos contábeis sem impacto no fluxo de caixa”, segundo a mineradora. A companhia ressalta que, sem esses impactos, o lucro seria de R$ 7,19 bilhões, acima dos R$ 6,72 bilhões dos três primeiros meses do ano.

O efeito não caixa mais importante foi causado, de acordo com a empresa, pela forte apreciação do dólar frente ao real, de 11% no segundo trimestre. Essa variação monetária e cambial reduziu o lucro em R$ 3,46 bilhões, contra um impacto positivo de R$ 579 milhões nos três primeiros meses do ano, “totalizando um movimento negativo de R$ 4,04 bilhões, que é R$ 2,63 bilhões maior do que a redução no lucro líquido”.

Semestre

No semestre, o lucro líquido ficou em R$ 12,03 bilhões, uma queda de 44,2% na comparação com os R$ 21,56 bilhões dos seis primeiros meses do ano passado.

A receita operacional da mineradora entre janeiro e junho foi de R$ 44,01 bilhões, 6,5% menor que os R$ 47,06 bilhões de igual período do ano passado.

Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) foi de R$ 18,89 bilhões, 36,5% abaixo dos R$ 29,74 bilhões dos seis primeiros meses de 2011.

A truculência reiterada de Serra | Brasilianas.Org

A truculência reiterada de Serra | Brasilianas.Org

A truculência reiterada de Serra


Autor: 
 
 Aqui vai um apanhado da truculência de José Serra, a partir da contribuição de vocês.
1.    Inspirado por José Serra, o diretório nacional do PSDB entrou com representação junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), questionando a publicidade da Caixa Econômica Federal (CEF) no Blog Luís Nassif Online.
2.    Recentemente, a Burson Mursteller considerou o Blog um dos 4 jornalísticos mais influentes do Twitter e o único independente.
3.    O Blog tem conteúdo analitico e informativo. Grande parte do conteúdo é constituído de clipping de jornais, sugeridos pelos leitores.
4.    No dia em que foi noticiada a representação, a análise dos últimos 300 posts do Blog revelavam o seguinte: 8 apenas foram sobre o mensalão, todos decorrência da decisão recente do TCU (Tribunal de Contas da União) de considerar regulares as contas do BB no período Pizolatto; cinco deles, reprodução de matérias de jornais; duas deles, de leitores analisando o papel dos ministros do TCU; outros dois, minimizando o relatório do TCU: um, a nota do próprio TCU, outra, matéria do Globo informando que o Procurador Geral da República não se deixaria influenciar pela decisão do TCU. Em relação às eleições, 11 posts, dentre os últimos 300: desses, 6 de jornalões e portais; um de site de esquerda; dois do blog, sobre a tropa de choque de Serra e sobre a foto ridícula dele no skate; dentre os 11, um do Globo com Serra acusando os blogs.
5.    O que Serra pretende é calar qualquer voz crítica em relação a ele, como usualmente faz com jornalistas da própria velha mídia.
6.    No mesmo dia, era possível identificar publicidade da mesma CEF e de outras estatais em blogs claramente militantes pró-Serra, como os da Veja.
Quanto a Serra, um apanhado de como atua em relação aos críticos:
1.    Por pressão de Serra, a TV Cultura não renovou meu contrato em 2008 devido a comentários no meu blog sobre os maus resultados da Sabesp. Na época critiquei os gastos da Sabesp com uma campanha publicitária veiculada em todo o país, incompatível para uma empresa de saneamento estadual. A não renovação do contrato foi cumprida por Paulo Markun e Gabriel Priolli.
2.   O apresentador Heródoto Barbeiro foi afastado da TV Cultura por ter feito uma pergunta sobre pedágio a Serra, durante um Roda Viva. No programa, Serra mente, diz que o pedágio da Ayrton Senna baixou pela metade. Não explicou que a cobrança, que antes era em apenas uma direção, passou a ser nas duas.
3.    Depois de ter siodo instrumento de Serra para meu afastamento, o próprio chefe de jornalismo Gabriel Priolli foi afastado por ter feito uma pauta sobre pedágio.
4.    O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso - a quem Serra deve sua carreira - foi duramente atacado pelo historiador Marco Antonio Villa (praticamente único intelectual militante que ainda se alinha com Serra) dias depois de ter declarado que o candidato do PSDB à presidência, em 2014, seria Aécio Neves. Clique aqui.
5.    Em fins de 2009, publiquei um artigo sobre o estilo de administrar de Serra, mostrando sua total inapetência para gestão. O Secretário de Comunicação Social procurou jornais do interior paulista - que republicam a coluna - ameaçando com cortes de verbas.
6.    Minha irmã Maria Inês Nassif foi alvo de uma pressão pesada da Secretaria de Comunicação Social do governo Serra - a mando do próprio governador - por ter se pronunciado, em coluna no Valor Econômico, contra o instituto da delação na lei antifumo. Dias e dias de pressão até que o Valor aceitou pubicr artigo do Secretário de Justiça acusando-a de fazer lobby da indústria do cigarro.
7.     A jornalista Márcia Peltier foi destratada por Serra, com palavras duras, por ter feito perguntas julgadas impertinentes pelo candidato.
8.    Destrata ao vivo repórter da rádio Capital que perguntou sobre as novas pesquisas políticas em 2010.
 9.    Esse mesmo comportamento se observou em entrevista concedida por ele à rede RBS, no Rio Grande do Sul.
10. A resposta ríspida à repórter da TV Brasil que perguntou sobre problemas de água em São Paulo.
11.    O portal Brasilianas não faz militância politica: trata de política públicas. A Sala de Gestão, que está para ser lançada, contém parcerias já firmadas, entre outros, com os governos de Minas Gerais e Pernambuco, através de seus governadores Antonio Anastasia (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), o que demonstra o pluralismo do projeto.
12. Desde que os métodos de Serra se tornaram conhecidos, tornei-me um crítico acerbo de seu estilo de gestão e de fazer política. Até por débito com a opinião pública, por ter acreditado em Serra anteriormente. Reitero que, hoje em dia, o predomínio de Serra sobre o PSDB ajudou no afastamento de toda uma geração de intelectuais de peso que historicamente apoiaram o partido. Aliás, o maior mal que o estilo truculento de Serra provoca, é contra seu próprio partido

Pepe Vargas nega ter favorecido corrente do PT em nomeação para o Incra | Valor Econômico


Pepe Vargas nega ter favorecido corrente do PT em nomeação para o Incra | Valor Econômico
Por Tarso Veloso e Caio Junqueira | De Brasília

Carlos Guedes, novo presidente do Incra, é defendido pelo ministro: "O governo não trabalha com a lógica das correntes"

Em discurso durante a posse do novo presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), o ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas, rejeitou que a indicação de que Carlos Guedes, uma escolha sua, fortaleceria a corrente interna petista Democracia Socialista (DS), do Rio Grande do Sul. "O governo não trabalha com lógicas de correntes partidárias. É claro que elas existem, mas não dentro no ministério", defendeu Vargas.

Pepe Vargas e o ex-presidente do Incra, Celso Lacerda, trocaram elogios e tentaram mostrar que o clima entre os dois é bom. "Obrigado, Celso, pelo trabalho. Foram 4 meses juntos, mas ficou claro sua competência e lealdade", disse. Lacerda retribuiu: "Reitero minha confiança no projeto e agradeço a todos por acreditarem nele. Nesse período, passei a admirar o ministro Pepe Vargas".

Na edição de ontem, o Valor mostrou que a sucessão no Incra reacendeu a luta interna das correntes petistas. Além disso, movimentos sociais do campo reclamam por não terem sido consultados sobre a troca no comando do Incra.

Trabalhadores em greve lotaram o auditório e entregaram panfletos com reivindicações. Segundo o material, os servidores querem o "fortalecimento das carreiras, visto não haver justificativa para a discrepância entre os salários pagos para os servidores do Ministério da Agricultura e do Ministério do Desenvolvimento Agrário".

Pepe Vargas disse que é necessário unificar as políticas públicas dentro dos assentamentos para dar mais qualidade de vida aos produtores. O ministro afirmou ainda que o governo brasileiro tem retirado da iniciativa privada, e levado adiante, a responsabilidade de prestar melhores serviços à população.

"O governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente Dilma Rousseff tem paulatinamente resgatado as responsabilidades do Estado brasileiro para prestar melhores serviços à população. Nossa obrigação é integrar programas como Água para Todos, Minha Casa Minha Vida, Programa Nacional de Habitação Rural, Pronacampo e Luz para Todos", disse Vargas.

A ministra do Desenvolvimento Social, Teresa Campello, também esteve presente ao evento.